sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

MOTE: Tem Parto Normal o Dia, Prá Noite Virar Finada

Mote em sete

Autor: Poeta repentista Luiz Gonzaga Neto

TEM PARTO NORMAL O DIA
PRÁ NOITE VIRAR FINADA.

Quando o dia tem seu parto
Natural Deus lhe socorre
E a noite logo morre
Parecendo ser enfarto
Prá o dia vim pra seu quarto
Do cosmo sua morada
E a terra sem ser pintada
Do dia produz magia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar fianda.
*
Quando a noite sem ter dor
Já pari o seu filho dia
Ela soma igual magia
E o dia traz resplendor
Com seu brilho que é a cor
E a noite é ocultada
E o dia pega a estrada
E o sol depressa irradia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar finada.
*
Quando a noite tem morte
Mas uma vez natural
Ninguém ver seu funeral
Mas ver do breu o seu corte
Que é o sol com olho forte
Que já deixa transformada
E a noite traz a alvorada
E o dia a luz não desvia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar finada.
*
Quando o filho dia nasce
Mãe noite tem que morrer
Para seu filho viver
E o sol apresenta a face
E a noite sem ter impasse
Pelo dia e preparada
Para já ser sepultada
Sem ter tumba em sua via
Tem parto normal o dia
Prá noite virar fianda.
*
Quando a noite se despede
E o dia nasce sem frauda
E o que agora mas salda
É o claro que nada impede
E a luz que só Deus mede
Do sol que o mundo agrada
É infinita e bem criada
No seu globo em sintonia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar finada.
*
A própria noite fecunda
Seu filho dia prá vim
E sua mãe noite ter fim
E o claro a terra inundada
Pois a natura profunda
Deixa a treva cortada
Das cenas sem ironia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar fianda.
*
Quando a noite já sente
Que é a hora da partida
Seu filho dia tem vida
E vem com seu olho quente
Do sol prá da vida ao ente
E se ouve a passarada
Que louva a luz sagrada
Do pai com supremacia
Tem parto normal o dia
Prá noite virar finada.