terça-feira, 25 de setembro de 2012

Verso para os ouvintes de Roseno Oliveira quando trabalhava no rádio.



Verso feito por Roseno Oliveira, na época quando ainda trabalhava na Rádio Progresso de Lisieux.

Venho aqui todos os sábados
Com amor no coração
E repasso aos ouvintes
Essa minha animação
Transbordando de alegria
Repasso essa energia
A todos na audição.
X
E nos traços da poesia
Agora vou abraçar
A todos os meus ouvintes
Que estão a me escutar
E por linha hoje traço
Mandando um forte abraço
De lugar para lugar.
X
Começo por Lisieux
Na terra que me criei
Essa turma aí do centro
Que ainda hoje, lá eu passei
Lisilândia e as demais ruas
A Avenida continua
A crescer como eu sonhei.
X
Ubá, Caraúno, Furado,
Barreiras Vermelha, Trapiá,
Massapé dos Vieiras,
Fazenda Mata, Ingá,
Olho d’água, Lagoa do Mato,
Ao povo daí sou grato
Qualquer dia volto lá.
X
Emaza, Lagoa das Pedras,
Na Floresta é minha gente,
Pau Infincado, Lajes,
Fazenda Bois e Vertente,
Tem o Saco do Pajé
Purga de Leite Também é
A terra do sol nascente.
X
Vassoura do Pajé,
Várzea da Cruz, Caiçara,
Picos de cima e de Baixo,
É de uma beleza rara,
Raposa, Pereiros,
A terra dos tabuleiros
Também da forragem cara.
X
Fazenda Nova, Intans,
Canafístula, olho d’aguinha,
Passagem, Barreiras Volta,
Lá também tem gente minha
Jacurutú, Poço Frio,
Sigo sem fazer desvio
Para não sair da linha.
X
Boqueirão, Jerimum,
E Juazeiro Ferrado,
Várzea Redonda fica
Bem juntinho ali, do lado,
E nessa mesma pisada
Tem a Fazenda Picada
E o Jardim é dos Machados.
X
Fazenda Groaíras, Condeus,
A turma do Areal,
Esses lugares precisam
De atenção especial
Pra sair do prejuízo
Por isso quem tem juízo
Doa o essencial.
X
Malhada grande afim
De um pouco mais crescer
Macaraú concorrendo
Junto com o Lisieux
Ao título de cidade
Mas, quem tem capacidade
Não precisa nem dizer.
X
Peço desculpas aos lugares
No qual nomes não citei,
Mas também o meu carinho
A vocês dedicarei,
E se eu não me esquecer
Doutra rima que eu fazer
Juro que não esquecerei.
X
Aos ouvintes, obrigado,
Pela sua atenção
A vocês sempre dedico,
Toda minha inspiração
Cumprindo o que se promete
Sabadão da oitenta e sete
É audiência de montão
X
Sou filho de um casal
Que morou no interior
O meu pai era poeta
Pecuarista, agricultor,
Homem de muita bravura
Que tinha sua cultura
O bem de maior valor.
X
É dele que eu herdei
O sangue de criador
Conheço bem o pesado
Também sou agricultor
Também herdei a cultura
Na qual eu tenho amor
Já nasceu no coração
É esse o maior valor
E de uma raça verdadeira
Gente simples, companheira
Nasceu Roseno Oliveira
O poeta locutor.

(fim)

Roseno Oliveira

Data: 30/07/2009